A era dos Games Online

MARDEN PULINHO

Com o avanço da tecnologia, os jogos online ganham cada vez mais força no mundo digital, chamando muita atenção em todas as faixas etárias. Foi-se época em que “joguinhos” eram coisas de criança. Esse impacto tecnológico de inovações, traz mais credibilidade aos games, tornando-os mais atrativos para o público adulto, além da perfeição dos gráficos, áudios, e desenvolvimentos que tornam os jogos atuais realistas e atraindo cada vez mais olhares do público.

Quem nunca jogou, por exemplo, o clássico Mario Bro’s? Criado em 1983, pelo japonês Shigeru Miyamoto, Mario Bro’s tem a missão de salvar a princesa raptada em um castelo com um dragão. Não demorou muito para o game, patrocinado pela Nitendo, virar febre em várias partes do mundo.  Hoje em dia, esse grande clássico que começou com designer 2D, ganhou diversas versões, inclusive online, em 3D e 4k. Claro que ainda é sucesso para todas as idades.

Atualmente o game online mais jogado no mundo é o League of Legends (LoL), lançado em 2009, pela Riot Games. O jogo em equipe, tem uma dinâmica bem estratégica e objetivo é que o time de jogadores destrua a base inimiga, criando armas e emboscadas.

Apesar de grandes sucessos, a era game online também teve algumas histórias de jogos que não atingiram o esperado e precisaram ser retirados de circulação. É o caso do The Sims Online (TSO), que foi baseado no The Sims. Mesmo que os jogos de simulação da série The Sims ainda sejam um sucesso, para a versão online, o resultado não foi tão positivo.  Lançado em 2002, o TSO teve problemas, a procura pelo jogo era pequena, pois não eram todos que tinham acesso à internet na época. Sendo assim, em 2008, o The Sims Online foi retirado do ar. Mas agora, em janeiro de 2017, a versão o online de The Sims foi relançada.

A importância dos jogos online, como o LoL, é a possibilidade de trazer interatividade entres os jogadores, pois possibilita uma experiência de trabalho em grupo, além de proporcionar dinamismo e diversão. Vale ressaltar que é necessário moderar, principalmente os adolescentes, o tempo de dedicação ao jogo para que não se torne um vício e deixar de fazer outras tarefas.